Associação Brasileira do Agronegócio da Região de Ribeirão Preto
Capital Brasileira do Agronegócio

ÁREA DE ATUAÇÃO

Viradouro

Viradouro: laranja e cana-de-açúcar. Dobradinha do desenvolvimento

Foi a expansão do café para o interior de São Paulo que desbravou o chamado “sertão paulista”, então um longínquo lugar, onde nasceu a cidade de Viradouro. O nome originou-se de uma fazenda localizada no ponto terminal da estrada, que obrigava o viajante a “virar” e voltar, já que não havia caminho à frente. Este “sertão” está localizado a 344 quilômetros de São Paulo, em uma das regiões mais desenvolvidas do Estado, à beira do Rio Pardo, que lhe outorga o título de Princesinha do Rio.

Com 18 mil habitantes, sua economia é fortemente dependente do agronegócio. Entre os principais empregadores, geradores de renda e impostos estão quatro usinas de açúcar e álcool, fazendas de laranja e cana-de-açúcar e indústrias ligadas diretamente às atividades do campo. Entre elas uma que fabrica sacolas para a colheita de laranja e “bags” para o acondicionamento do açúcar. Com 86 anos, as conquistas são praticamente recentes. A luz elétrica, por exemplo, chegou na cidade em 1917. O serviço de esgoto e asfalto, em 1959. Nos 45 anos seguintes o desenvolvimento foi mais rápido.

Hoje Viradouro tem 100% de asfalto e luz elétrica, e até o final do ano 100% do esgoto da cidade receberá tratamento. Uma ação em respeito ao Rio Pardo que oferece pesca abundante, lazer aos seus usuários e muitos causos para contar. Entre eles está o da pesca de uma carpa de 1 metro e meio de comprimento. O fato, com foto, está no site da cidade para comprovar que não se trata de estória de pescador, mas de história A tranqüilidade dessa típica cidade do interior de São Paulo tem sido quebrada com a freqüente ocorrência de furto de bicicletas, o principal meio de locomoção dos moradores. Para combater esta infração, a Polícia Militar mandou confeccionar informativos especiais aconselhando os donos de bicicletas a personalizar e colocar placas de identificação nas “magrelas”, afinal de contas elas fazem parte do patrimônio das famílias locais.

A educação tem sido muito incentivada em Viradouro. As criações do Museu Histórico e da Biblioteca Municipal são exemplos disso, assim como projetos específicos de qualificação de professores e apoio à musicalidade. O coral da Escola Estadual “Odulfo de Oliveira Guimarães” foi vencedor, no ano passado, do Concurso Estadual de Corais Natalino, promovido pela Secretaria Estadual da Educação.

O Coral de 60 vozes é formado por alunos do ensino fundamental ao médio, e conta com o apoio da prefeitura e da iniciativa privada para custear o maestro e as viagens de apresentação. As festas populares são motivo de orgulho para todos de Viradouro e realizadas com empenho maior a cada ano, como o Encontro Folclórico, o Encontro de Folia de Reis, a etapa do Circuito Nacional de Rodeios, as festas juninas e o carnaval de rua. Ë um retrato fiel do interior que trabalha muito, mas que não dispensa a diversão e não esquece suas origens.


Dados:
Cana-de-açúcar: 13.200 ha/ 80 ton/ha - 1 milhão e 56/ton
Soja (renovação): 2.000 ha - 100 mil sacas/ha
Naranja: 3.000 ha - 700 cx/ha - 2 milhões e 100 mil caixas


Julho/2004

Av. Luiz Eduardo de Toledo Prado, 870 - sala. 510 - Iguatemi Empresarial - Vila Golf - CEP. 14027-250 - Ribeirão Preto - SP
Fone/Fax: (16) 3623-2326 - abagrp@abagrp.org.br